Nosso Lema

De nada adiantaria toda a exuberância da natureza quase intocada do Amapá se a gente não pudesse pegar um 4x4 para cortar estradas, ramais e trilhas da Amazônia tucuju especialmente em dias de chuva ou forte calor. Lama, adrenalina, família, amizade e descontração. Somos jipeiros do Meio do Mundo!!!

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Matéria da abertura do 8º Fest Jeep no Meio do Mundo no Globo Esporte


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Jeep de Mandi inspira "selfies" de participantes do 8º Fest Jeep














O vídeo mais incrível do 8º Fest Jeep no Meio do Mundo: a capotagem de Adriano!


JIPEIROS NO EQUADOR: Competição Off-road no Meio do Mundo

A foto histórica do sjipeiros no Meio do Mundo com o Jeep Willys de Manoel Mandi içado por guindaste
CLEBER BARBOSA
EDITOR DE TURISMO

O complexo turístico do Marco Zero do Equador é o palco de mais uma edição do Fest Jeep no Meio do Mundo, comemorando em grande estilo a passagem do fenômeno natural do Equinócio da Primavera. O evento “Off-road”, que significa “fora-de-estrada” ocorre desde ontem num circuito indoor montado no estacionamento do Sambódromo de modo que os pilotos possam concorrer ora no Hemisfério Norte, ora no Hemisfério Sul.
A programação foi aberta no fim da tarde de sexta-feira, com a cerimônia de abertura e recepção aos pilotos, que estarão divididos em quatro categorias: Jeep Willys, Jeep Diesel, Jeep Gasolina e Picape. Ainda terá a estreia da categoria e Jeep Feminino. A pista tem 800 metros de comprimento, num traçado sinuoso e com duas pernas, ou seja, as baterias são duplas, com os pilotos correndo um ao lado do outro, um por fora e outro por dentro, com a inversão na volta seguinte. Os tempos são somados e os donos das melhores médias avançam para as finais, que ocorrem neste domingo, a partir das 14 horas.

Intercâmbio – O traçado é semelhante ao da cidade de Brusque (SC), onde acontece o maior evento do segmento no país, a FenaJeep, a Festa Nacional do Jeep. O coordenador daquele evento, inclusive, está em Macapá para ajudar os associados do Jeep Clube de Macapá no Fest Jeep no Meio do Mundo. Seu nome é Vilmar Valendowsky, conhecido como Negão. Também existem jipeiros do Rio de Janeiro, que cruzaram o país numa expedição até o Amapá.

Segundo o atual presidente do Jeep Clube de Macapá, Adriano Bosco, será o primeiro grande evento sem a presença de Manoel Mandi, idealizador da competição e que faleceu no mês passado. “Esse será outro desafio, mas ao mesmo tempo um incentivo seguir adiante com o grande legado deixado por nosso eterno presidente Mandi”, concluiu o dirigente do clube.

Emoção – Durante todo o evento, um guindaste de 30 metros de altura mantém içado um Jeep Willys ano 1974, que pertencia ao ex presidente do Jeep Clube de Macapá, o empresário Manoel Mandi, que faleceu há exatos 30 dias. “Essa foi a forma que nós encontramos para prestar uma justa homenagem ao Mandi, que idealizou o Fest Jeep, mais que isso, fez ele se transformar no maior evento do calendário anual do automobilismo amapaense”, diz José Maria Esteves, amigo e diretor técnico do evento deste ano.
As arquibancadas são cobertas e a entrada é franca, mas aberta a receber donativos.

Evento ajudará a Apae de Laranjal do Jari
Uma das marcas dos eventos promovidos pelo Jeep Clube de Macapá são as contrapartidas sociais. Para o 8º Fest Jeep no Meio do Mundo a entidade escolhida foi a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, a APAE de Laranjal do Jari, no sul do estado. A entidade passa por muitas dificuldades para manter-se em funcionamento e cuidando de quase 300 crianças especiais daquele distante município interiorano.
A partir da contrapartida dos associados e de parceiros do evento, estão sendo assegurados R$ 5 mil em gêneros alimentícios. Além disso, o publico que vai ao circuito no Meio do Mundo poderá levar voluntariamente 01 quilo de alimentos não perecíveis, que serão posteriormente encaminhados a outras entidades filantrópicas. “O Jeep Clube caminha sobre esse tripé, o esporte, claro, afinal todos somos apaixonados por jipes, como também o trabalho social e a promoção do Amapá como destino turístico, diz a jipeira Perpétua Mourão, que é membro da diretoria do clube.
Entre outras ações sociais, transporte de vacinas em áreas de difícil acesso, de donativos a vítimas de enchentes e, mais recentemente, o Jeep Noel, que há dois anos vai à Vila Velha do Cassiporé, em Oiapoque.

A trajetória do Jeep Clube de Macapá é marcada por ações sociais e turísticas
O Jeep Clube de Macapá foi fundado em 26 de dezembro de 2001, quando ganhou status de uma associação filantrópica, sem fins lucrativos. Mas antes disso já ocorriam informalmente reuniões de amigos com a mesma paixão por jipes e outros veículos com tração nas quatro rodas. Bastava um convite de um integrante do grupo para conhecer um sítio, uma fazenda ou mesmo uma trilha escorregadia para que se pudesse testar as habilidades dos pilotos e também a versatilidade dos carros. Nascia o esporte Off-Road no Amapá, que significa “Fora-de-estrada”.
Mas com a criação do clube também vieram as ações sociais, uma das principais marcas deste grupo de aventureiros. O transporte de vacinas em regiões de difícil acesso, a arrecadação de donativos para a Casa da Hospitalidade, para o Instituto do Câncer Joel Magalhães, para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, entrega de cestas básicas e brinquedos para moradores da Cachoeira de Santo Antônio, participação do sopão em Itaubal do Piririm, em parceria com o Rotary Club e o Exército Brasileiro, participação em campanhas educativas e de orientação sobre a dengue, entre outras ações, marcaram essa trajetória de solidariedade e amor ao próximo.
Os jipeiros também se tornaram verdadeiros embaixadores do turismo do Amapá, à medida que difundem a importância do turismo interno, ou seja, fazendo com que os amapaenses nascidos ou não aqui, despertem o desejo de conhecer o próprio Estado, com sua natureza intocada, seus rios e igarapés, cachoeiras e, claro, sua gente interiorana. Quando as expedições são para fora dos limites do Amapá, a ideia é sensibilizar outras pessoas de lá a virem nos visitar, e para isso os jipeiros sabem fazer as honras da casa. Costumam adesivar os carros com fotos de atrações turísticas do Amapá, para promove-lo.

PROGRAMAÇÃO
· DOMINGO:

– ÀS 14h – LOCAL: Pista de Prova – Início do segundo dia de provas do Indoor.

– ÀS 18h – Encerramento do Indoor.

– ÀS 19h – Premiação aos Campeões das modalidades.

800metros
Extensão da pista do 8º Fest Jeep no Meio do Mundo

ADRENALINA


Confira os registros fotográficos da cerimônia de abertura do Fest Jeep 2016

Sob muita emoção, jipeiros de Macapá e de outras partes do Brasil e do mundo foi aberto no final da tarde de sexta-feira (23) o 8º Fest Jeep no Meio do Mundo. O ponto alto da cerimônia foi uma homenagem ao presidente do Jeep Clube de Macapá, o empresário Manoel Mandi, que faleceu há exatos trinta dias. O Jeep Willys 1974 que ele pilotava foi içado por um guindaste a 30 metros de altura, acompanhado de um banner gigante onde de lia "MANDI, OBRIGADO POR IDEALIZAR E CONCRETIZAR O FEST JEEP, PROJETO ESTE QUE HOJE É UM DOS GRANDES ATRATIVOS DO CALENDÁRIO DE EVENTOS DO ESTADO DO AMAPÁ".
O evento contou com a participação da Banda de Música do 34º Batalhão de Infantaria de Selva, que abrilhantou ainda mais o evento.













Chamada para o 8º Fest Jeep no Meio do Mundo. Confira!


domingo, 25 de setembro de 2016

Jeep Clube de Macapá promove 8º Fest Jeep no Meio do Mundo

O complexo turístico do Marco Zero do Equador será palco de mais uma edição do Fest Jeep no Meio do Mundo, comemorando em grande estilo a passagem do fenômeno natural do Equinócio da Primavera. O evento “Off-road” ocorrerá num circuito indoor montado no estacionamento do Sambódromo de modo que os pilotos possam concorrer ora no Hemisfério Norte, ora no Hemisfério Sul.
A programação será aberta nesta sexta-feira, a partir das 16 horas, com a cerimônia de abertura e recepção aos pilotos, que estarão divididos em quatro categorias: Jeep Willys Original, Jeep Diesel, Picape e Jeep Feminino. A pista terá 800 metros de comprimento,  num traçado sinuoso e com duas pernas, ou seja, as baterias são duplas, com os pilotos correndo um ao lado do outro, um por fora e outro por dentro, com a inversão na volta seguinte. Os tempos são somados e as melhores médias avançam para as finais.
O traçado é semelhante ao da cidade de Brusque (SC), onde acontece o maior evento do segmento no país, a FenaJeep, a Festa Nacional do Jeep. O coordenador daquele evento, inclusive, está em Macapá para ajudar os associados do Jeep Clube de Macapá no Fest Jeep no Meio do Mundo. Seu nome é Vilmar Valendowsky, conhecido como Negão. Também existem jipeiros do Rio de Janeiro, que cruzaram o país numa expedição até o Amapá.
Segundo o atual presidente do Jeep Clube de Macapá, Adriano Bosco, será o primeiro grande evento sem a presença de Manoel Mandi, idealizador da competição e que faleceu no mês passado. “Esse será outro desafio, mas ao mesmo tempo um incentivo seguir adiante com o grande legado deixado por nosso eterno presidente Mandi”, concluiu o dirigente do clube.
As competições serão abertas no sábado, na fase classificatória. Os melhores colocados avançam para as finais, que acontecem na tarde de domingo, com a premiação dos campeões por categoria sendo feita às 19 horas.

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DO 8º FEST JEEP NO MEIO DO MUNDO

·  QUARTA-FEIRA :
ÀS 16h:
Instalação da Secretaria do 8º FEST JEEP NO MEIO DO MUNDO no Auditório do Sambódromo.
Valores Inscrição Indoor :
               Carros 4x4 R$ 100,00(Sócio do Jeep Club)
                                   R$ 150,00(Não sócio do Jeep Club)           
               Motos R$ 100,00.
               Mountain Bike R$ 25,00.
- Às 17hs:
 Abertura das Inscrições- Auditório do Sambódromo.
- Às 19h:
Reunião Geral- LOCAL:Auditório do Sambódromo – Comissão Organizadora com todos os responsáveis pelas modalidades esportivas participantes do Evento.

·  QUINTA-FEIRA:
Às 9h: LOCAL: Auditório do Sambódromo continuação das Inscrições 8º FEST JEEP.
- VISTORIA TÉCNICA GERAL VEICULAR OBRIGATÓRIA (CARROS E MOTOS).

·  SEXTA-FEIRA:
ÀS 9h – LOCAL : Auditório do Sambódromo.
- continuação das Inscrições para as modalidades do evento.
- Entrega dos kits dos Pilotos.
- VISTORIA TÉCNICA GERAL VEICULAR OBRIGATÓRIA (CARROS E MOTOS).
- Inicio da venda da Camisa Oficial do 8º Fest Jeep. Valor R$ 25,00 (vinte e cinco reais)  e camisas do Jeep Club (tipo polo)
R$ 40,00(quarenta reais). 
ÀS 16h – LOCAL : Pista de Prova – Sambódromo.
ABERTURA OFICIAL DO 8º FEST JEEP NO MEIO DO MUNDO.

·  SÁBADO:
ÀS 14h – LOCAL: Pista de Prova – Inicio das competições.
ÀS 18h – Encerramento das atividades do dia.
ÀS 19h30’ – Entrega da área a vigilância noturna.

·  DOMINGO:
- ÀS 14h – LOCAL: Pista de Prova – Inicio do segundo dia de provas do Indoor.
- ÀS 18h – Encerramento do Indoor.
- ÀS 19h – Premiação aos Campeãos das modalidades.

Para maiores informes falar com a Coordenação da Comissão Organizadora:
Sr. Adriano0xx(96) 9-9148 7411, Sr. Zé Maria 0xx(96)9-9971 2253 ou Sra. Perpetua Mourão 0xx(96) 9-8111 0161, ou acessar soujipeiro.blogspot.com ou e-mail: jeepclubdemacapa@hotmail.com, ou no Facebook: www.facebook.com/jeepclubdemacapa

Diretores do Jeep Clube apresentam projeto do Fest Jeep ao governador do Amapá

A jipeira Huelma faz a apresentação dos detalhes do Fest Jeep ao dirigente estadual
Dirigentes do Jeep Clube de Macapá, liderados pelo presidente Adriano Bosco, estiveram reunidos com o governador do estado, Waldez Góes, para apresentar a ele o projeto do 8º Fest Jeep no Meio do Mundo, que acontece no período de 23 a 25 de setembro no Complexo Turístico do Meio do Mundo. O mandatário estadual agradeceu a visita a garantiu apoio institucional ao evento.
Vantuíler Júnior, José Maria, Adriano Bosco e Cleber Barbosa com o governador Waldez Góes

Íntegra do histórico do Jeep Clube apresentado no Desfile do 7 de Setembro


Histórico do Jeep Clube de Macapá


O Jeep Willys, um carrinho valente construído inicialmente para operações na Segunda Guerra Mundial, por sua versatilidade e leveza, era capaz de transportar em qualquer tipo de terreno os comandantes militares, munições, suprimentos e até mesmo soldados feridos.

Mas apesar da fama que esse veterano dos campos de batalha conquistou, acabou virando mesmo símbolo de liberdade, de lazer sadio e esportividade.

Desde o surgimento dos clubes de Jeep pelo Brasil, esse utilitário raro passou a ser muito mais valorizado e não se encontra mais nenhum exemplar esquecido em garagens ou até em quintais pelas cidades ou no interior.

O Jeep Clube de Macapá foi fundado em 26 de dezembro de 2001, quando ganhou status de uma associação filantrópica, sem fins lucrativos.

Mas antes disso já ocorriam informalmente reuniões de amigos com a mesma paixão por jipes e outros veículos com tração nas quatro rodas. Bastava um convite de um integrante do grupo para conhecer um sítio, uma fazenda ou mesmo uma trilha escorregadia, para que se pudesse testar as habilidades dos pilotos e também a valentia dos carros.

Nascia o esporte Off-Road no Amapá, que significa “Fora-de-estrada”.


Mas para a chamada Família Jeep Clube de Macapá o desfile deste ano tem um sentimento diferente, afinal é a primeira vez que saímos de nossas casas para um evento jipeiro sem a presença de nosso eterno presidente.

No último dia 24 de agosto perdemos Manoel Mandi, vítima de um assalto nas estradas, o que acabou provocando um infarto. Mas ele não iria deixar a tristeza nos abater neste dia cívico, portanto nosso compromisso é honrar seu legado, seus ensinamentos, seu exemplo.

O primeiro carro de nossa apresentação, este Jeep Willys azul ano 1973, pertencia a Mandi e está sendo ocupado por sua família, pilotado por seu filho mais velho, André. Para nós, prova inconteste de que a missão é dar continuidade à obra do presidente Mandi.

Simbolicamente e, em homenagem a Mandi, os associados do Jeep Clube soltam agora balões brancos para simbolizar um pedido de PAZ. Paz no trânsito, paz nas estradas, nas cidades, nas famílias, paz para TODOS!


Com a criação do clube também vieram inúmeras ações sociais, uma das principais marcas deste grupo de aventureiros. O transporte de equipes de vacina em regiões de difícil acesso, arrecadação de donativos para a Casa da Hospitalidade, para o Instituto do Câncer Joel Magalhães, para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, a APAE, entrega de cestas básicas e brinquedos para moradores da Cachoeira de Santo Antônio, participação do sopão em Itaubal do Piririm, em parceria com o Rotary Club e o Exército Brasileiro, participação em campanhas educativas e de orientação sobre a dengue, sobre educação no trânsito, entre outras ações, marcaram essa trajetória de solidariedade e amor ao próximo.

Os jipeiros também se tornaram embaixadores do turismo do Amapá, à medida que difundem a importância do turismo interno, ou seja, fazendo com que os amapaenses nascidos ou não aqui, despertem o desejo de conhecer o próprio Estado, com sua natureza intocada, seus rios e igarapés, cachoeiras e, claro, sua gente interiorana. Quando as expedições são para fora dos limites territoriais do Amapá, a ideia é sensibilizar outras pessoas de lá a virem nos visitar. E para isso os jipeiros sabem fazer as honras da casa, com o jeito nosso de receber um visitante.

Toda a visibilidade que o Jeep Clube de Macapá alcançou também fez o clube investir no aperfeiçoamento de seus integrantes, sendo que o Exército Brasileiro foi um dos primeiros parceiros da entidade. Os cursos de navegação por GPS credenciaram jipeiros do Amapá a participar de competições nacionais e internacionais, em provas de regularidade, como no Rally das Savanas, no Suriname, quando o piloto José Maria Esteves venceu na categoria Internacional. Depois o piloto Manoel Mandi sagrou-se campeão brasileiro de Rally, na categoria Graduados, brilhando em competições como o Cerapió e a Transbahia.

O Exército Brasileiro também foi decisivo para o resgate de uma data única para os admiradores deste valente veículo 4x4, o Dia Mundial do Jeep, comemorado em 4 de abril. Desde 2010 que a data não passa em branco no Amapá, com o Jeep Clube organizando uma exposição de veículos militares e também da frota do clube, formada por jipes de várias nacionalidades e idades, com destaque para os valentes exemplares do Jeep Willys.

Os jipeiros são figuras carismáticas onde quer que cheguem e fazem parte de uma irmandade cuja identidade é mundial. A solidariedade jipeira não é só entre os aventureiros, que jamais deixam um companheiro pelo caminho, seja em um atoleiro ou numa grande estrada.

Jipeiro que sai junto, chega junto!

A filantropia nos aproxima do Criador, por isso em enchentes, incêndios ou outros fenômenos da natureza, os jipeiros estarão sempre a postos para prestar auxílio a quem precisa. O velho soldado de guerra hoje tem companheiros mais sofisticados, mais equipados, mas a essência é a mesma, superar obstáculos, vencer barreiras e ser solidário.

Salve o Dia da Independência do Brasil e vida longa ao Jeep!

Jeep Clube de Macapá – Jipeiros do Meio do Mundo!

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Homenagens ao presidente Mandi marcam o desfile do Jeep Clube de Macapá

Balões brancos, crianças, atletas, projetos sociais, inclusão, off-road, amizade, confraternização e muita saudade. Esses foram os ingredientes da participação do Jeep Clube de Macapá no Sambódromo por ocasião do Desfile da Independência. O Clube Toca dos Leões, com seus atletas das artes marciais, foram levam ao público o agradecimento pelo apoio que o clube presta ao projeto que fica numa área carente da capital do Amapá. 
A viúva de Manoel Mandi  –  Dona Leda – esteve presente ao evento, acompanhada dos filhos e da neta, desfilando na Ivaldo Veras com o Jeep Willys 1974 que era utilizado pelo inesquecível Presidente Mandi.

Acompanhe, a seguir, mais registros da bonita festa cívica.
Os associados do Jeep Clube Jovem também compareceram, conduzindo uma faixa sobre o projeto "Conheça o Amapá", também idealizado por Mandi e que visa levar as novas gerações de amapaenses a conhecer o próprio estado antes de sair pelo país e pelo mundo.
















Veja mais fotos do desfile dos carros antigos no Dia da Independência








Editor do Blog, jornalista Cleber Barbosa, atuando como mestre de cerimônia, lê o histórico do Clube